Lar São João de Deus

Conheça a Ordem Hospitaleira de São João de Deus curtir a página Solicite sua vaga
x

Solicite sua vaga

Notícias

voltar

Uma vida de hospitalidade!

22/03/2018

Foi no dia 18 de março, em Fátima, que Júlio Faria dos Reis, Irmão da Ordem Hospitaleira há 75 anos, celebrou o feito junto de 150 pessoas as Bodas de Diamante, presidida por D. Augusto César, bispo emérito de Portalegre-Castelo Branco. O Ir. Júlio dedicou a sua vida de hospitalidade, influenciado pelo padre Nuno Filipe, ao estilo de S. João de Deus, e hoje agradece ao Senhor pela vida que Este lhe deu.

À conversa com o Ir. Aires Gameiro, o Ir. Júlio Faria, natural de Vale Trancão (Santa Catarina da Serra, Leiria), revela como foi a sua vida de hospitalidade.

Com 17 anos pediu ao pai para se juntar à Ordem Hospitaleira, onde estavam os amigos André e Nuno, e no dia 19 de março de 1943 fez a profissão solene. Continuou os anos de formação e prática de hospitalidade em Barcelos, onde estudou enfermagem. Foi encarregado do Pavilhão de S. José e mais tarde enviado para a Casa do Padre, no Rio de Janeiro, onde foi Superior interino. Em 1956 regressa a Portugal para a formação de postulantes e escolásticos.

O Ir. Júlio participava nas reuniões de formadores e escreveu um livro sobre civilidade e boas maneiras. O livro teve muito boa aceitação dentro e fora da Ordem. Foi Superior de Areias de Vilar, onde assume que foi muito feliz e gostou de trabalhar. Em 1974 foi superior do Telhal onde passou momentos difíceis devido ao 25 de abril. “Vi irmãos a chorar com medo”, revelou. Mais tarde foi eleito Provincial, num período com muitas inovações em que se iniciaram os congressos de psiquiatria S. João de Deus. Em 1986, voltou ao Brasil de onde regressou recentemente.

Na sua opinião, um candidato a Irmão deve ser sincero desde o seu início e em toda a formação. É muito importante o acompanhamento espiritual do diretor e “a oração é o mais necessário. Não dá bom resultado se posta de lado.” O formando deve ainda viver realizado e contente na vida religiosa. “Obrigado, Senhor, pela vida que me deste, por me teres chamado a Hospitaleiro e concedido tantos dons”, conclui.


Fonte: http://isjd.pt/2018/03/22/bodas-diamante-uma-vida-hospitalidade/

Comentários